Tá no Blog

Dieta Low Carb, vale a pena?

Preciso reduzir os carboidratos para perder peso?

A dieta Low Carb e a ingestão de carboidratos dão o que falar nas redes sociais e entre os profissionais da área de saúde.
Hoje a Nutri Bianca Innocencio do Instituto Santa Rosa (RJ)  irá responder sua pergunta.
“Estudos tem demonstrado que algumas pessoas perdem mais peso (gordura corporal)  quando se limita no VET (calor energético total) os carboidratos em 20 até 40{0f0c6236818577b233c3dc8be170dde4c77ab0460c366bd7ab2ff956a9e4b432}. Principalmente as que apresentam resistência à insulina, hiperinsulinemia (como no caso da Síndrome do Ovário Policístico) ou diabetes tipo 2.
Esta avaliação-  da necessidade ou não de se “segurar” os carboidratos da dieta- deve ser feita por um nutricionista, visto que pode haver queda da energia principalmente no período adaptativo.
Outra questão que se deve avaliar é o objetivo individual, quem busca perder pouco peso e ganhar massa muscular pode não se beneficiar com este tipo de conduta.  Por isso não existe melhor “dieta” e sim a melhor estratégia para um determinado metabolismo.
Ao reduzirmos a ingestão de carboidratos com alta carga glicêmica objetiva-se dentre outras mudanças metabólicas o controle da insulina. Sendo este um hormônio inflamatório, manter seus níveis controlados parece trazer melhor resposta na perda de peso do que dietas de controle apenas das calorias ou estratégias de redução dos lipídios.
A dica que quero deixar para você é procure carboidratos de grande valor nutricional e ricos em fibras: folhosos, verduras, frutas in natura, raízes. E retire os carboidratos que são pobres em nutrientes como pães, massas, açúcares, biscoitos, refrigerantes, farináceos em geral.”
Esta foi a dica da Nutricionista Bianca Innocencio da equipe de nutricionistas do Instituto Santa Rosa! Não se deixe levar pelos modismos das dietas e da internet. Uma alimentação adequada requer orientação de um profissional e deve ser realizada de forma individualizada respeitando restrições e seus hábitos de vida diário.
 
 

Água com gás pode ou não pode?

Água com gás, pode ou não pode?

A água com gás é uma bebida que gera muitas dúvidas com relação ao seu consumo. É uma alternativa aos refrigerantes cheios de açúcar e não substitui a água mineral.
A nutricionista Lorrayne Diniz preparou um texto e esclarece muitas das dúvidas que temos sobre a água com gás.
“Uma dúvida constante nos consultórios das nutricionistas é “água  com gás, pode?”. Primeiro precisamos entender qual a composição da água gaseificada e quais são os seus efeitos no nosso organismo.
A água gaseificada sofre um tratamento e adicionamento de dióxido de carbono sob pressão ao líquido.
Quando ingerido, esse gás pode causar desconforto gástrico e dilatação do estômago. Por isso, não é aconselhável que a água com gás seja a única fonte de hidratação durante o dia.
Por outro lado, ao acrescentar suco puro de limão a este tipo de água, pode ser de grande ajuda para aquelas pessoas que possuem o péssimo hábito de tomar refrigerantes. Por causar sensação de saciedade ao nosso corpo, a água gaseificada pode ser consumida para diminuir o volume da refeição, tornando-se uma boa estratégia para as pessoas que querem perder peso!
Neste caso, o ideal é saber dosar a quantidade correta de água gaseificada consumida por dia.
Recomenda-se o consumo de 1 a 2 copos ao dia e o restante da ingestão hídrica deve ser proveniente de água sem gás.”
 
Quem  resiste a eferverscência das bolhas em um copo de água com gás  bem gelado, não é mesmo?
Então pessoal, de acordo com a nutri a água com gás pode ser adicionada ao seu dia- a -dia.  Além de auxiliar a reduzir o volume das refeições a água com gás torna-se uma poderosa aliada nos processos de reeducação alimentar, pois não contém açucares e há algumas no mercado em que são acrescidos aromas e sabores, uma delícia.
Mesmo assim, a orientação de um(a) nutricionista é muito importante para adequar a ingestão de água com gás à sua rotina alimentar diária, lembrando sempre que a água natural é a melhor forma de hidratação que nosso corpo necessita.